25.9.10

sobre tranquilidade, simpatia e malandragem

A tarefa era levar uma portuguesa para conhecer um pouco do Brasil. Planejei uma semana em Sampa, cidade que escolhi para viver e mais semana dividida entre Paraty e Rio. Pensei em Bahia, em Belém, e até em Curitiba, que são outras cidades das quais gosto muito, mas ponderei distância e ficamos com essas.

Sobre Paraty
As pousadas que recomendo ali são a Solar dos Gerânios (que estava lotada) e Flor do Mar. A pousado do Careca que conheci depois, apesar de ter atendimento simpático e ser uma opção mais barata é bastante desorganizada, só vá se estiver com extrema paciência e descobrir que vai ao Paraty em Foco com 3 dias de antecedência (é, fui nas férias e voltei pra lá 2 semanas mais tarde).
A primeira coisa que se deve fazer em Paraty é comprar um par de Havaianas numa banca próxima ao Centro Histórico e trocar na hora o seu conturno/tênis/sapato bonitinho, sinta a despretensiosa sensação de estar de folga . O melhor calçado pra andar ali são as legítimas havaianas. O programa é ficar passeando e entrando em cada uma das lojinhas e registrando essa cidadinha tão fotogênica. Se quiser almoçar um PF honesto, vá ao Café Paraty e peça o Peixe a Caiçara, se quiser comer sofisticado, vá ao Banana da Terra e peça um arroz negro com camarões flambados na cachaça. Vá com fé: não deixe de pedir de sobremesa um kit café gourmet que traz a bebida acompanhada de 5 minidocinhos brasileiros.
Na cidade tem 3 boas sorveterias de self service: a La Basque, a Sorveteria Paraty e a Pistache.
O café mais simpático é o café pingado, mas o serviço é bem demorado.
Se cansar de ficar andando, ou se for uma pessoa-praia, faça um passeio de barco. Vale a pena. O Rei Cingano tem música boa, comida boa (érica arrasa), e se tiver sorte como nós, não terá crianças no seu passeio.
Para comer uma pizza tem duas boas opções: a Punto Di Vino. Nota importante: a pizza individual é MESMO individual, pois a massa é tão fininha e levinha que você dará conta. A Pizzaria da Cidade é boa também, mas tem pizzas de massa mais grossa e mais pesada, a parte engraçada/engordativa/perigosa fica por conta dos vários azeites de diferentes procedências. Cuidado!
Se estiver a fim de gastar um dinheiro e se autopresentear, vá até o Marc Lab comprar um vestido de malha com ótimo corte, ou até o Sobral comprar uma biju de resina ou então a uma das duas Talismã comprar um colar com fios de algodão da Luisa Herculano.
Apesar de lindinha, acho que não consigo ficar em Paraty por mais que 3 dias (exceto no Paraty em Foco, que tem uma programação tão intensa que você só visita a cidade nos intervalos).

Sobre o Rio
Quando chegar na rodoviária e quiser pegar um taxi prépago pra não cair na conversa do taxista, não se assuste, as mocinhas ficam acenando loucamente para chamar atenção gritando taxi, taxi aqui, taxi. Medo!
Vou ser sincera: não adoro o Rio. A última vez que tinha ido foi há 14 anos. Dessa vez ficamos no Sesc Copacabana, que apesar de eu não achar barato, todo mundo me afirmou que seguramente para os valores da cidade/localização é MUITO barato. Achei super simpático deixarem o livro Cenas Cariocas no quarto. Só não foi muito esperto não venderem o livro na lojinha sesc.
Ao lado do hotel, recomendo o Don Camillo. Se gosta de camarões peça o Spaguetti Don Camillo, que não vai se arrepender.
Se chegar ao farol do forte e faltarem 15 minutos para fechar, diga que vai ao Café Colombo. Dá tempo de tirar algumas fotinhos da vista de Copacabana, tomar um café e descobrir que abrasileiraram o doce português (torre de belém: pastel de belém com sorvete de creme e calda de chocolate).
Muito se fala da violência do Rio. Para mim, violento mesmo é a simpatia exagerada dos cariocas. Esteja preparado caso peça informações para o vendedor de frutas da esquina... ele vai ser mega simpático e você vai sair dali com a sensação que lhe devia ter comprado uma fruta.
Pegue um bondinho para Santa Tereza e passeie pela Chacara do Céu. Não recomendo o sobrenatural, ele tem fama, mas o peixe veio seco. No lugar onde comemos a sobremesa talvez tivessemos sido mais felizes no pedido do prato. O bonde também é lugar de paquera, por exemplo: moça bonita que se pendura no bondinho pra não pagar passagem (R$0.60) tem direito viajar de graça e talvez descolar o telefone do moço superbacana que lhe pagou a passagem.
O descaso, a sujeira e o mal cheiro da Lapa assustou as duas moças, que muito rapidamente voltaram a Copacabana tomar suco nas esquinas. Tem vários locais ótimos.
Se estiver acompanhando turista européia, certamente fará dois passeios básicos: Corcovado e Pão de Açucar. Se prepare, as escadas são concorridas para tirar a famosa foto de braços abertos com o Cristo. Fique atento: o pratinho com a foto dali é de plástico e não vale a pena. Outro detalhe: na descida, entre no vagão que os sambistas estão, pois se for no outro e estiver perto do horário de almoço, eles deixam os instrumentos lá em paineiras, e você corre o risco de ficar sem samba.
Se tiver estomago fraco, ou medo de altura, talvez ir ao Pão de Açucar não seja uma boa... o balanço e a mata abaixo de seus pés podem ser imagens recorrentes toda vez que você fecha os olhos na hora de dormir. Outra nota importante: são dois momentos! Cuidado para não ficar só na Urca e acabar sem conhecer o Pão. Na urca, tome um Rei do Mate (com leite) e coma um copão de pão de queijo enquanto espera que fique pronto o pratinho (esse sim em porcelana e kitsch como deve ser).
Aconteça o que acontecer, vá a Confeitaria Colombo. Gaste horrores e traga presente pra quem você quer bem. Tudo é delicioso! E o lugar é lindo... abstraia os arredores (não tão bonito assim).
Passear a noite no calçadão de Copacabana e esticar até a feirinha vale a pena, também para gastar todas as calorias ingeridas durante o dia. Cuidado ao comprar havaianas ali, um pé pode vir diferente do outro.
O Jardim Botânico é grande, e o Parque Lage fica longe dali, apesar de nos mapas parecer do ladinho. Poupe as pernas e pegue um onibus. No Café du Lage eu comi provavelmente o melhor bolo de chocolate até hoje... era úmido por dentro e sequinho e quebradiço por fora.
Na volta de lá vá até a Visconde de Pirajá (Ipanema) e gaste feliz nas lojinhas incríveis que tem por ali.
A essa altura do passeio, voltando pra rodoviária de brasiltaxi, você já estará quase acostumada com a simpatia carioca... mas se ao passar pela unidos da tijuca pronunciar o nome da escola em voz alta, é capaz de ouvir o samba enredo cantarolado pelo taxista, e se perguntar a ele de qual escola é, talvez responda que tem uma simpatia pela beija flor, mas que é mangueira... e você ainda vai ouvir mais outro samba enredo encerrado com um confidente "bunito, né?".
Apesar de você ter levado a amiga portuguesa para os melhores lugares de Sampa, muito provavelmente o Rio vai ganhar... talvez seja a geografia privilegiada, quem sabe? Ou talvez seja mesmo a malandragem carioca...
Para lembrar: rodoviária em véspera de final de semana emendável é terrível. Em compensação, o Itapemirim leito é MUITO confortável. Vale cada real a mais. É bom saber disso, para o caso de eu querer voltar ao Rio um dia desses.

4 comentários:

Bossa Nova disse...

Hey Wicca! Muito bom seu roteiro, apresentou bem o Rio para a amiga portuguesa. Mas faltou almoçar no Aprazível em Santa Tereza, com certeza você teria ficado mais feliz com o seu peixe!

Anónimo disse...

Recomendaria também uma ida (ou duas, ou três...) à Livraria da Travessa, na Visconde de Pirajá.
beijo,

António

Renata Voss disse...

hhaahahahahhha amei as fotos e o vídeo! "não temos direito de saaaaamba"!

Guilherme Maranhão disse...

Gostei mais da foto #25 - santa tereza.